Carta Pastoral do Bispo Sobre as Santas Missões Populares.

CARTA PASTORAL À DIOCESE DE JUNDIAÍ

AS SANTAS MISSÕES POPULARES

“Ide fazer discípulos meus” na Diocese de Jundiaí (cf. Mt 28,19).

dvc

Estimados Irmãos e Irmãs,

A querida e amada Diocese de Jundiaí se prepara para viver um momento extraordinário da graça do Senhor: o seu Jubileu de Ouro que acontecerá no dia 06 de janeiro de 2017. Queremos que a comemoração dos 50 anos da história da Diocese de Jundiaí seja uma verdadeira “sacudida”, uma nova tomada de consciência da nossa fé e um profundo despertar de novas energias no nosso seguimento a Jesus Cristo. Bem dizia Dom Gabriel Paulino Bueno Couto, OCarm, o 1º Bispo e “Pai Fundador” desta Diocese: “É preciso dar Cristo a quem não o tem e a consciência de Cristo a quem já o possui”. De fato, os(as) verdadeiros(as) discípulos(as) de Jesus precisam ser também seus(as) missionários(as) alegres e ardorosos(as).

INTRODUÇÃO

Celebrando o seu Jubileu de Ouro, a Igreja Diocesana de Jundiaí quer responder, com renovado entusiasmo e coração ardente (cf. Lc 24,32) ao mandato missionário de Jesus Cristo: “Ide, evangelizai! Ide fazer discípulos meus todos os que moram na minha Igreja, na porção do meu povo que se faz presente na Diocese de Jundiaí” (cf. Mt 28,19). Como Mãe amorosa e solícita, a Igreja quer anunciar a todos a alegria de sermos amados por Jesus Cristo e termos sido salvos por Ele. E, ao mesmo tempo, ela quer tornar-se uma Igreja servidora, que possibilita àqueles filhos e filhas dispersos uma experiência íntima e profunda com Cristo e para a vida em comunidade.

Por isso, queridos irmãos diocesanos e queridas irmãs diocesanas, CONVOCO a todos para participarmos das SANTAS MISSÕES POPULARES (SMP).

1. O QUE SÃO AS SMP?

“O Senhor escolheu outros setenta e dois e enviou-os, dois a dois, à sua frente, a toda cidade e lugar para onde ele mesmo devia ir” (Lc 10,10).

As SMP são um novo jeito de evangelizar, uma nova maneira de ser Igreja, uma das formas de colocar a Igreja em estado permanente de missão.

1.1. SANTAS: porque é tempo favorável e fecundo da graça, de viver mais intensamente o amor de Deus por nós e nosso amor por Ele;

1.2. MISSÕES: porque Missão é partir, sair de si mesmo, ir ao encontro do outro, comprometendo-nos com a Missão que Cristo nos deixou;

1.3. POPULARES: porque acontecem no meio do povo e com o povo, assumindo seus anseios e sonhos por uma vida mais digna e uma Igreja de comunhão e participação.

Portanto, as SMP nascem de uma Igreja que é por natureza missionária: se a Igreja se fechasse em si mesma e não assumisse sua vocação missionária, renegaria o Senhor Jesus e se trairia a si mesma. O Papa Francisco tem insistido muito na necessidade da transformação missionária da Igreja: a Igreja precisa sempre estar “em saída”. A alegria do Evangelho deve encher a vida de todos nós, discípulos e discípulas do Senhor Jesus. É esta “alegria missionária” (cf. “A Alegria do Evangelho”, n. 21) que nos deve motivar e impulsionar para participarmos ativamente das SMP.

2. COMO SERÃO REALIZADAS AS SMP?

E Jesus disse aos seus discípulos missionários: “Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias…” (Lc 10,4).

O objetivo principal das SMP é anunciar, de forma alegre, convicta e vivencial, o “querigma”: o primeiro anúncio, o anúncio de Jesus Cristo, como Boa-Notícia. É uma mensagem evangélica que, pelo testemunho dos evangelizadores, procura suscitar e fortalecer a fé e a conversão. É “fazer Jesus acontecer” na vida das pessoas, para que elas o proclamem como Salvador e Senhor de sua vida.

A Diocese de Jundiaí é constituída por 66 Paróquias e apresenta uma grande diversidade de ambientes e situações existenciais. Em linhas gerais, o projeto das SMP inclui as seguintes atividades, entre tantas outras que poderão ser programadas em cada Paróquia:

01. Formar e treinar os(as) missionários(as) das SMP através de dois Retiros Missionários Diocesanos, seguidos de mais dois Retiros Missionários em cada Paróquia da Diocese. Os Retiros Missionários Diocesanos acontecerão na Comunidade Santo Antônio – Paróquia de Itupeva, em junho (26 a 28) e outubro (23 a 25);

02. Favorecer a visita dos(as) missionários(as) aos lares da Diocese, bem como às escolas, Universidades, fábricas, casas de detenção, hospitais, comunidades terapêuticas, etc.;

03. Realizar uma grande Semana Missionária em cada Paróquia para marcar profunda e permanentemente o caráter missionário da Paróquia. Esse evento poderá tornar-se um “mês missionário” ou “ano missionário”, dependendo das condições e da realidade de cada comunidade paroquial;

04. Possibilitar, na medida do possível e de acordo com cada realidade, à Paróquia tornar-se uma “rede de comunidades”, dividindo-a em setores, proporcionando um cuidado especial aos lugares onde há pouca ou nenhuma presença evangelizadora da Igreja;

05. Garantir a participação dos(as) cristãos(as) leigos(as) na Igreja, Povo de Deus, valorizando sua presença nos Conselhos, pois todos participam do sacerdócio comum de Cristo pelo Batismo e são suas testemunhas vivas pela Crisma;

06. Reforçar, em sintonia com nosso “Plano Diocesano da Ação Evangelizadora”, a presença dos “Grupos de Rua” (Círculos Bíblicos ou Grupos de Reflexão), para que as famílias vizinhas ou grupos afins leiam, orem e testemunhem mais as Sagradas Escrituras, Palavra de Deus, em suas vidas. Assim esses grupos podem tornar-se “porta de entrada para a vida comunitária, principalmente para aqueles que estão afastados da Igreja ou que ainda não receberam os Sacramentos da Iniciação Cristã” (cf. “Plano Diocesano da Ação Evangelizadora”, p. 19, n. 1).

07. Tornar a Liturgia momento festivo, marcante e contagiante da presença de Deus em nosso meio (a celebração da Santa Eucaristia, da Palavra de Deus na comunidade, vigílias, celebrações e caminhadas penitenciais, Celebração do Envio, etc.);

08. Valorizar as manifestações da piedade popular do nosso povo (procissões, bênçãos, as festas dos Padroeiros, a oração do terço, a Via-Sacra, etc.);

09. Garantir a participação dos jovens, adolescentes e crianças nas SMP e estimulá-los a se tornarem verdadeiros discípulos missionários em seus ambientes, propiciando a evangelização numa linguagem própria e inculturada na realidade deles;

10. Recuperar a dimensão social do “querigma” e ir ao encontro das pessoas carentes e necessitadas, contribuindo para a melhoria de suas condições de vida e de suas necessidades sociais.

3. QUEM SÃO OS PROTAGONISTAS DAS SMP?

“A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Pedi, pois, ao Senhor da colheita que mande trabalhadores para sua colheita” (Lc 10, 2-3).

Sem dúvida, o Espírito Santo é o principal protagonista da Missão: Ele torna presente a obra da Salvação de Jesus, radicada na Cruz. O Espírito Santo age através dos Apóstolos, mas, ao mesmo tempo, opera nos que acolhem o anúncio missionário. Portanto, toda a Igreja é protagonista da Missão, tendo o seu Bispo Diocesano e os presbíteros como os primeiros missionários da Diocese, bem como os diáconos permanentes, os seminaristas, os religiosos e as religiosas e, atuando nos vários ambientes, tantos leigos e leigas, de importante e insubstituível presença, engajados na vida comunitária.

Por esse motivo, CONVOCO todas as forças vivas de nossa amada Diocese de Jundiaí, tendo à frente seu Bispo e os presbíteros, a sermos os coprotagonistas da Missão de Jesus pela ação do Espírito Santo.

Neste processo, será muito importante a presença efetiva de 20 ou 30 missionários leigos e leigas de cada Paróquia, escolhidos e enviados para os Retiros Missionários Diocesanos, a fim de que, sentados aos pés do Divino Mestre (cf. Lc 10,39.42), se tornem discípulos mais apaixonados e realizem em suas Paróquias, como missionários fervorosos, todo o processo dos Retiros Missionários Paroquiais, atraindo o maior número possível de pessoas que queiram tornar-se verdadeiros discípulos missionários de Jesus.

CONCLUSÃO:

Alguém pode perguntar: “Mas, quando terminam as SMP”? Os discípulos(as) missionários(as) de Jesus Cristo nunca devem dizer: “Missão cumprida!”. A missão de Jesus e de sua Igreja nunca chega ao fim. O Papa Francisco nos convoca: “Não deixemos que nos roubem a alegria da evangelização!” (“A Alegria do Evangelho!”, n. 83).

Por isso, as SMP não têm um prazo determinado para terminar. Dependendo de sua realidade, cada Paróquia deve encontrar, criativa e empenhadamente, os meios necessários para tornar-se “Igreja em estado permanente de missão”. As SMP são apenas um momento forte, uma “forte comoção” (“Documento de Aparecida”, n. 362) para desinstalar e tirar a Igreja da comodidade, do cansaço evangelizador e da indiferença. Com as SMP realmente assumidas por todos, seguramente a nossa Diocese e as nossas Paróquias NUNCA serão as mesmas. A renovação missionária das comunidades nos obrigará a deixar para trás práticas, costumes e estruturas que não conseguem mais, nos tempos atuais, favorecer a transmissão e a vivência da fé cristã. Portanto, não se trata de negar tudo de bom que já foi feito na caminhada passada da nossa Diocese, mas de colher os frutos de nossa rica história e reconhecer, nesta mudança de época, que é preciso ter coragem e audácia evangélica para realizar a “conversão pastoral” da nossa Igreja, passando de “uma pastoral de mera conservação para uma pastoral decididamente missionária” (“Documento de Aparecida”, n. 370).

Queridos irmãos diocesanos e irmãs diocesanas: supliquemos a Deus, com fé ardente e confiante, que as SMP marquem realmente a vida da nossa querida e amada Diocese de Jundiaí que caminha para a celebração do seu Jubileu de Ouro.

Sendo, com vocês, Irmão e, para vocês, Bispo, peço que todos colaborem para o pleno êxito das SMP. Aos(às) que forem convidados(as) para ser missionários(as) das SMP: aceitem, com alegria e plena disponibilidade, esta missão. Particularmente, aqueles(as) que já participam dos Movimentos Eclesiais e Associações Religiosas, tão presentes e atuantes em nossa Diocese: acolham com generosidade este projeto que Deus nos inspira. Pois, como são belos “os lábios que proclamam os louvores do Senhor!” (cf. Sl 71

[70],23). “Como são belos os pés dos que anunciam o Evangelho” (cf. Is 52,7 e Rm 10,15). Aos(às) que serão visitados(as): abram suas portas e seus corações aos que vêm “anunciar a paz do Senhor” (cf. Lc 10,5). Por fim, queridos presbíteros, diáconos, seminaristas, religiosos(as) e cristãos(ãs) leigos(as): unamos nossos esforços neste grande impulso missionário que queremos infundir em nossa Diocese. Não podemos deixar de viver esta hora de graça, para que as SMP se tornem um novo e verdadeiro Pentecostes para a nossa Igreja.

O Senhor nos adverte: “Sem mim, nada podeis fazer” (Jo 15,5b). Mas Ele também nos assegura: “Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos” (Mt 28,20b). Queridos irmãos diocesanos e irmãs diocesanas: peçamos ao Senhor que nos fortaleça na Missão. Neste sentido, conclamo as comunidades da Diocese de Jundiaí para que nos dias da semana que antecedem os Retiros Missionários Diocesanos (entre os dias 22 [segunda-feira] a 25 [quinta-feira] de junho e 19 [segunda-feira] a 22 [quinta-feira] de outubro), celebrem a Santa Eucaristia com a presença dos missionários(as) escolhidos(as), realizem momentos de Adoração Eucarística e Vigílias e que façam orações, jejuns e outras obras de sacrifício, caridade fraterna e obras de misericórdia nas intenções das SMP.

Confiemos as SMP à proteção maternal de Maria, Nossa Senhora do Desterro, Padroeira da nossa Diocese. Ela, que, no Cenáculo, juntamente com os Apóstolos, foi testemunha do ardor missionário suscitado pelo Espírito (cf. At 1,14), interceda pela Igreja de seu Filho, que se faz presente aqui nesta Diocese. Que nossa Igreja se torne, verdadeira e permanentemente, casa dos iniciados na vida cristã, a Igreja dos(as) discípulos(as) missionários(as) do Senhor Jesus.

E a todos abençoo.

Jundiaí – SP, na celebração litúrgica do 2º Domingo da Páscoa, Domingo da Divina Misericórdia, 12 de abril de 2015.

_____________________________
Dom Vicente Costa
“Servo do Cristo Jesus” (Rm 1,1), chamado para pastorear a Igreja Diocesana de Jundiaí, em nome de Jesus, o Bom e Belo Pastor.

ORAÇÃO PELAS SANTAS MISSÕES POPULARES

Nós Vos louvamos, Senhor,
e agradecemos a Vossa Palavra,
a graça do Batismo,
e a Missão que de Vós recebemos.

Ensinai-nos, nós Vos pedimos,
a ser discípulos missionários do Vosso Reino,
sobretudo neste período
em que nossa Diocese quer ser
uma “Casa da Iniciação à Vida Cristã”
através das Santas Missões Populares.

Impulsionada pela alegria do Evangelho
e pela Santa Eucaristia,
seja a nossa Missão um serviço à Paz;
e, para a humanidade à procura de Jesus,
Caminho, Verdade e Vida,
seja um sinal de amor e de esperança.

Nossa Senhora do Desterro,
Perfeita Discípula Missionária do Senhor,
intercedei por todos nós.
Amém!

(Oração baseada na do Projeto Diocesano de Evangelização de 2007).

 

2018-10-11T15:17:38+00:00